5 fatos que você precisa saber sobre colorimetria e pigmentos

5 fatos que você precisa saber sobre colorimetria e pigmentos

Dentre as muitas questões que envolvem a micropigmentação, a seleção da cor pigmento para composição nas diversas técnicas e métodos que envolvem esta magnífica arte de embelezar, é a que gera maior dúvida entre os profissionais.

Colorimetria é um processo utilizado para medir e analisar a composição de uma cor, processo este utilizado pela indústria na concepção e produção de pigmentos para pigmentação artificial permanente da pele, conhecida também como tatuagem, maquiagem definitiva, dermopigmentação e micropigmentação.

O profissional micropigmentador preparado para analisar cada composição de um pigmento, certamente selecionará, com assertividade, o(s) pigmento(s) ideal(s) para a realização da técnica e método desejados. E são 5 os fatos que podem nos auxiliar para sermos sensatos em nossas escolhas.

1-> Composição: Pigmentos para pigmentação permanente da pele devem obedecer às regras estabelecidas pela ANVISA, através da Resolução – RDC 55, de 06 de agosto de 2008, que trata sobre o registro destes produtos nacionais ou importados.

Todos os compostos devem ser testados para garantir sua segurança e eficácia, e seguir com um plano de gerenciamento de riscos, com a finalidade de manter sua segurança para o usuário.

Pigmentos para micropigmentação, normalmente são compostos por uma porção dispersante, formada pela água ultra purificada, glicerina vegetal e álcool isopropílico e uma porção pigmentante, formada por pigmentos autorizados e testados, que podem ser orgânicos e inorgânicos. Os testes de segurança são necessariamente: citotoxicidade, genotoxicidade e toxicidade cronica, e outros necessários baseados no plano de gerenciamento de riscos.

NOTA1: Os pigmentos permitidos para uso em micropigmentação são os pigmentos cosméticos e os destinados a alimentos, medicamentos e produtos para saúde, segundo especificações da Farmacopéia Brasileira e a RDC, n 44 de 09 de agosto de 2012.

– Amostras Pigmentos para micropigmentação:

 

3pigmentos

2->Veículos: Os pigmentos podem apresentar veículos aquosos, oleosos e voláteis. Pigmentos de consistência mais aquosa são ideais para as composições de esfumados e pigmentos com consistência mais oleosa para composições de traços e fios.

3-> Color Index (C.I.): é uma sequência de cinco números que identifica cada molécula corante de acordo com suas estruturas química. O C.I. de um corante/pigmento apenas estabeleceu uma identificação internacional de uma molécula corante. Apenas o C.I. não identifica se o corante é grau cosmético, alimentício e industrial.

As legislações acima citadas definem quais pigmentos, segundo seu Color Index, podem ser destinados ao uso na micropigmentação. Cada fabricante é responsável pela seleção e comprovação de segurança de seus compostos, e para saber quais pigmentos foram testados e aprovados pelos fabricantes a pela ANVISA basta clicarem:   portal.anvisa.gov.br  — assuntos  — produtosparasaude — informacoes – Como usar: Consulte os rótulos, informações sobre registro e instruções de uso dos produtos para a saúde – acesse mais. Com o número de registro ou nome do produto ou fabricante você terá acesso às informações sobre composição e seus Color Index aprovados para o produto selecionado.

Abaixo segue alguns exemplos de pigmentos e seus Color Index.

01

4-> Consistência da cor: é a relação que o resultado da cor tem de acordo com a técnica e método aplicado. A dedicação em desenvolver manobras cada vez mais precisa e que resultem em implantações adequadas, é o diferencial em trabalhos com definição de forma e cor.05

Resultados mais esfumados resultam de menores quantidades de pigmentos implantados, já resultados mais compactos ou traçados (fios) resultam de maiores quantidades de pigmentos implantados, sendo assim, uma mesma cor de pigmento pode parecer mais clara ou mais escura de acordo com a quantidade de pigmento implantado.

5-> Fundamento de um pigmento: O estudo das cores caminha com o micropigmentador desde seus primeiros passos e, na medida de seu desenvolvimento profissional, reconhece o fundamento utilizando um de nossos 5 sentidos: A visão.

Observar, analisar e identificar um pigmento segundo sua característica colorimétrica nos leva a selecionar a melhor cor pigmento para obtermos o resultado desejado.

 

02

Conhecendo o princípio da colorimetria de formação das cores e identificando cada Composto da formulação (porções dispersantes e porção pigmentaria –C.I.), nos tornamos capazes de selecionar produtos mais adequados e seguros para realizar nosso lindo e magnífico trabalho de micropigmentação.

03

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *